Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 1 de abril de 2013

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO



COMO O LABORATÓRIO É UM LOCAL COM ALTO POTENCIAL DE RISCO DE ACIDENTES, DEVIDO À MANIPULAÇÃO DE VÁRIAS SUBSTÂNCIAS DE GRANDE PERICULOSIDADE, TORNA-SE NECESSÁRIO TOMAR ALGUMAS PRECAUÇÕES PARA NÃO AFETAR A SAÚDE DOS TRABALHADORES NESTA ÁREA.

HÁ PROCEDIMENTOS QUE PERMITEM A ATUAÇÃO DO TRABALHO EM LABORATÓRIO COM O MÍNIMO DE RISCOS. A SEGURANÇA DEPENDE DA AÇÃO DE TODOS OS ENVOLVIDOS E NÃO APENAS DAS PESSOAS ENCARREGADAS DE PROMOVÊ-LA.

DEVEMOS TOMAR COMO HÁBITO: O PLANEJAMENTO DO TRABALHO QUE VAI SER REALIZADO E A EXECUÇÃO DO MESMO COM SEGURANÇA.

DEVEMOS LEVAR EM CONSIDERAÇÃO:
O ACIDENTE É UMA OCORRÊNCIA NÃO PROGRAMADA, IMPREVISTA OU NÃO, QUE INTERFERE OU INTERROMPE UM PROCESSO NORMAL DE TRABALHO, OCASIONANDO PERDAS PESSOAIS (LESÕES OU DOENÇA).

AUMENTAM A PROBABILIDADE DO ACIDENTE:
- DESCONHECIMENTO DO RISCO;
- FALTA DE ATENÇÃO;
- IMPRUDÊNCIA;
- PRESA;
- STRESS;
- FALTA DE ORDEM E LIMPEZA;
- NÃO CUMPRIMENTO DAS REGRAS DE SEGURANÇA.

RISCO É A POSSIBILIDADE OU A PROBABILIDADE DE OCORRER UM ACIDENTE OU DOENÇA PROFISSIONAL.

ACIDENTES E INTOXICAÇÕES NO LABORATÓRIO - ORDEM DE FREQUÊNCIA DE RISCOS:
- EXPOSIÇÕES A AGENTES AGRESSIVOS;
- LESÕES COM PRODUTOS CÁUSTICOS E CORROSIVOS;
- QUEIMADURAS COM PRODUTOS INFLAMÁVEIS;
- ACIDENTES COM VIDRARIAS E MATERIAIS CORTANTES E CONTUNDENTES;
- ACIDENTES COM EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS;
- PROBLEMAS COM EXPOSIÇÃO À RADIAÇÕES.

EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

DEVEM ESTAR AO ALCANCE DE TODOS OS QUE TRABALHAM NO LABORATÓRIO, QUANDO SE FAZ NECESSÁRIO:

- EXTINTORES DE INCÊNDIO;
- CHUVEIRO DE EMERGÊNCIA;
- LAVADOR DE OLHOS;
- MÁSCARAS ESPECÍFICAS PARA CADA TIPO DE SERVIÇO;
- PROTETORES FACIAIS;
- ÓCULOS DE SEGURANÇA;
- AVENTAIS E LUVAS.


RECOMENDAÇÕES GERAIS
DE ORDEM PESSOAL (PRINCIPAIS):

- TRABALHAR COM ATENÇÃO;
- NÃO USAR ANÉIS E PULSEIRAS;
- MANTER OS CABELOS PRESOS (POIS PODEM ENTRAR EM CONTATO COM FOGO E SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS);
- NUCA ESFREGAR OLHOS, NEM TOCAR NA PELE COM LUVAS (POIS PODEM CONTER RESÍDUOS DE SUBSTÂNCIAS);
- NÃO COMER, BEBER OU FUMAR EM UM LABORATÓRIO;
- USAR CALÇADOS E AVENTAL APROPRIADOS;
- USAR EPI's NAS OPERAÇÕES DE RISCOS POTENCIAIS, COM CERTIFICADO DE APROVAÇÃO (CA);
- NÃO PIPETAR NENHUM TIPO DE PRODUTO COM A BOCA;
- NÃO SE EXPOR A RADIAÇÕES UV, IV, ETC;
- PLANEJAR O TRABALHO A SER REALIZADO;
- VERIFICAR AS CONDIÇÕES DA APARELHAGEM;
- CONHECER A PERICULOSIDADE DOS PRODUTOS QUÍMICOS.


RECOMENDAÇÕES GERAIS
REFERENTES AO LABORATÓRIO:

- BANCADAS LIMPAS E LIVRES DE MATERIAIS ESTRANHOS;
- ROTULAR REAGENTES, SOLUÇÕES E AMOSTRAS;
- PAPÉIS USADOS E MATERIAIS DESCARTÁVEIS NO LIXO SOMENTE QUANDO NÃO APRESENTAR RISCOS;
- USAR PINÇAS E MATERIAIS DE TAMANHO ADEQUADO E EM PERFEITO ESTADO DE CONSERVAÇÃO;
- UTILIZE A CAPELA AO TRABALHAR COM REAÇÕES QUE LIBERAM GASES VENENOSOS, IRRITANTES E CORROSIVOS;
- EVITAR DESCARTAR PRODUTOS QUÍMICOS NAS PIAS DO LABORATÓRIO.





RECOMENDAÇÕES GERAIS
DERRAMAMENTO DE PRODUTOS INFLAMÁVEIS, PRODUTOS TÓXICOS OU CORROSIVOS, TOMAR AS PROVIDÊNCIAS:

- INTERROMPA O TRABALHO, E ISOLE A ÁREA SE POSSÍVEL;
- AVISE PESSOAS PRÓXIMAS SOBRE O OCORRIDO;
- SOLICITE OU EFETUE A LIMPEZA IMEDIATA;
- ALERTE O SUPERIOR;
- VERIFIQUE E CORRIJA A CAUSA DO PROBLEMA.


USO DE EQUIPAMENTOS E APARELHAGEM EM GERAL

- PLANEJAR AS OPERAÇÕES COM NOVOS EQUIPAMENTOS;
- LEIA PREVIAMENTE INSTRUÇÕES E MANUAIS;
- SAIBA O QUE FAZER NUMA EMERGÊNCIA;
NÃO COLOQUE DE FORMA RÁPIDA UM EQUIPAMENTO SOB PRESSÃO. FAZER GRADATIVAMENTE.


USO DE MATERIAL DE VIDRO

- NÃO UTILIZE MATERIAIS TRINCADOS OU QUEBRADOS;
- USE LUVAS ADEQUADAS PARA MANUSEAR PEÇAS QUENTES;
- NÃO DEIXE FRASCOS QUENTES SEM PROTEÇÃO OU AVISO;
- NÃO AQUEÇA RECIPIENTE DE VIDRO COM CHAMA DIRETA, USE UMA PLACA PROTETORA.


EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS
CHAPAS OU MANTAS DE AQUECIMENTO

- EVAPORAÇÃO OU REFLUXOS DE PRODUTOS INFLAMÁVEIS, DENTRO DA CAPELA.


MUFLAS
- NÃO ABRA DE MODO BRUSCO, QUANDO A MUFLA ESTÁ AQUECIDA;
- USE PINÇAS ADEQUADAS, LUVAS DE TERMO-ISOLANTES, AVENTAIS E PROTETORES FACIAL E DE BRAÇOS.


CHAMA EM LABORATÓRIO

- USAR A CAPELA OU LOCAIS APROPRIADOS;
- VERIFIQUE VAZAMENTOS E DOBRAS NO TUBO DE GÁS;
- FECHAR O REGISTRO DA LINHA DE GÁS APÓS SEU USO.


SISTEMAS A VÁCUO

- NÃO FAÇA VÁCUO RAPIDAMENTE EM MATERIAL DE VIDRO;
- UTILIZE FRASCOS ADEQUADOS PARA O SISTEMA DE VÁCUO (KITASSATOS).



OPERAÇÕES EM CAPELAS

- VERIFIQUE O SISTEMA DE EXAUSTÃO, PISO E JANELAS LIMPOS, FUNCIONAMENTO PERFEITO DAS JANELAS;
- NUNCA UTILIZE ÁCIDO PERCLÓRICO EM CAPELAS COMUNS: RISCOS DE EXPLOSÃO;
- OPERE COM CERCA DE 15 CM DE ABERTURA DA JANELA;
- SEMPRE LAVE A CAPELA APÓS O USO.


LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

PONTO DE FULGOR ABAIXO DE 70ºC.
DUAS CLASSES:             CLASSE I             CLASSE II
PONTO DE FULGOR, ºC    ATÉ 37,7            37,7  A  70

LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS (CLASSE III)

PONTO DE FULGOR ACIMA DE 70ºC.
AQUECIDOS ACIMA DE SEU PONTO DE FULGOR, COMPORTAM-SE COMO LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS.



LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS COMUMENTE USADOS EM LABORATÓRIO - PONTO DE FULGOR, ºC 

PRODUTO                             PONTO DE FULGOR
ACETATO DE ETILA                     -4,4
ACETATO DE METILA                  -9
ACETONA                                     -38
ÁLCOOL ETÍLICO                          12
ÁLCOOL ISOPROPÍLICO               12
ÁLCOOL METÍLICO                       23
BENZENO                                      11
CICLOHEXANO                             -20
1,2 DICLOROETANO                      13
DISULFETO DE CARBONO           -30
ÉTER DE PETRÓLEO                    -57
ÉTER ETÍLICO                               -45
HEXANO                                         23
TRIETILAMINA                               -7

*DEPOIS DO FRASCO ABERTO, DEVE SER LEVADO À GELADEIRA


OS LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS DEVEM:

- LONGE DE CHAMAS;
- USAR CAPELA PARA EVAPORAÇÕES;
- NÃO DESCARTE NA PIA, ESTOQUE EM RECIPIENTES ADEQUADOS;
- GUARDE OS MUITO VOLÁTEIS EM GELADEIRA.



PRODUTOS TÓXICOS

CAUSAM SÉRIOS PROBLEMAS ORGÂNICOS, TANTO POR INGESTÃO, INALAÇÃO OU ABSORÇÃO PELA PELE. SÃO FATAIS EM ALGUNS CASOS.


AGENTE
QUÍMICO
INALAÇÃO
INGESTÃO
IRRITAÇÃO
CUTÂNEA
CONTATO OCULAR
Ácido Cianídrico
4
4
2
4
Ácido Fluorídrico
4
4
4
4
Ácido Oxálico
3
3
3
3
Benzeno
3
2
2
2
Bromo
4
4
4
4
Cianeto de Potássio
0
4
3
4
Cloro
4
0
3
4


0 – Não há lesão;
1 – Lesão mínima;
2 – Lesão Leve;
3 – Lesão Moderada;
4 – Lesão Grave.





PRODUTOS CORROSIVOS


- CONTATO DIRETO CAUSAM DESTRUIÇÃO DE TECIDOS VIVOS E DE OUTROS MATERIAIS;
- REAGEM VIOLENTAMENTE COM PRODUTOS ORGÂNICOS: CAUSAM INCÊNDIO;
- QUEIMADURAS DE ALTO GRAU PELA AÇÃO QUÍMICA SOBRE OS TECIDOS VIVOS;
- EPI's ADEQUADOS: ÓCULOS PARA LÍQUIDOS; AVENTAIS E LUVAS DE PVC; PROTETOR FACIAL.

LÍQUIDOS CORROSIVOS COMUMENTE USADOS EM LABORATÓRIO:

- ÁCIDO BROMÍDRICO CONCENTRADO;
- ÁCIDO CLOROACÉTICO;
- ÁCIDO FLUORÍDRICO CONCENTRADO;
- ÁCIDO FÓRMICO CONCENTRADO;
- ÁCIDO IODÍDRICO CONCENTRADO;
- ÁCIDO NÍTRICO CONCENTRADO;
- ÁCIDO PERCLÓRICO CONCENTRADO;
- OXICLORETO DE FÓSFORO;
- ÁCIDO SULFÚRICO CONCENTRADO;
- BROMO;
- CLORETO DE ACETILA;
- CLORETO DE ESTANHO;
- FENOL;
- HIDRÓXIDO DE SÓDIO;
- HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO;
- TRICLORETO DE FÓSFORO.



PRODUTOS PIROFÓRICOS

EM CONDIÇÕES AMBIENTES NORMAIS (ATMOSFERA, TEMPERATURA E UMIDADE), REAGEM VIOLENTAMENTE COM O OXIGÊNIO DO AR OU UMIDADE, GERANDO CALOR, GASES INFLAMÁVEIS E FOGO.

SÓLIDOS: LÍTIO, SÓDIO E POTÁSSIO (METAIS ALCALINOS).

LÍQUIDOS: BUTIL LÍTIO, TRIMETIL ALUMÍNIO, CLORETO DE DIETIL ALUMÍNIO, ETC. (ORGANO-METÁLICOS).

EM INCÊNDIO, NUNCA UTILIZE ÁGUA OU ESPUMA, USE SOMENTE EXTINTORES DE PÓ QUÍMICO SECO OU AREIA.





CILINDROS DE GÁS COMPRIMIDO

- EVITAR INSTALAR DENTRO DO LABORATÓRIO;
- MANTENHA-OS SEMPRE PRESOS POR CORRENTES E AFASTADOS DO CALOR. IDENTIFIQUE-OS CORRETAMENTE;
- NÃO USAR CILINDROS DE GÁS COM VAZAMENTOS;
- UTILIZAR CARRINHO APROPRIADO E PROTEÇÃO NA VÁLVULA (CAPACETE), PARA TRANSPORTE DE CILINDRO CHEIO;
- NÃO ABRIR A VÁLVULA PRINCIPAL SEM ANTES SE CERTIFICAR DE QUE A VÁLVULA REDUTORA ESTÁ FECHADA.



INCOMPATIBILIDADE ENTRE PRODUTOS QUÍMICOS

NÃO ARMAZENAR PRODUTOS INCOMPATÍVEIS. CONSULTE TABELAS:


SUBSTÂNCIA
INCOMPATÍVEL COM
ÁCIDO ACÉTICO
ÓXIDO DE CROMO (VI), ÁCIDO NÍTRICO, ÁLCOOIS, ÁCIDO PERCLÓRICO, PERÓXIDOS, PERMANGANATOS.

ÁCIDO NÍTRICO
ÁCIDO ACÉTICO, ANILINA, ÓXIDO DE CROMO (VI), ÁCIDO CIANÍDRICO, LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS.

ÁCIDO PERCLÓRICO
ANIDRIDO ACÉTICO, BISMUTO E SUAS LIGAS, ÁLCOOIS, PAPEL, MADEIRA.

ÁCIDO SULFÚRICO
CLORATO DE POTÁSSIO, PERCLORATO DE POTÁSSIO.

HIDROCARBONETOS
FLÚOR, CLORO, BROMO, ÓXIDO DE CROMO (VI), PERÓXIDO DE SÓDIO.

LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS
NITRATO DE AMÔNIO, ÓXIDO DE CROMO (VI), PERÓXIDO DE SÓDIO, ÁGUA OXIGENADA, ÁCIDO NÍTRICO, HALOGÊNIOS.








RESÍDUOS


SUBSTÂNCIAS INDESEJÁVEIS, RESULTAM DE PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÕES QUÍMICAS.
PODEM SER: SÓLIDOS, LÍQUIDOS, GASES.
REDUZA AO MÍNIMO A GERAÇÃO DE RESÍDUOS.
NÃO DESCARTAR RESÍDUOS TÓXICOS EM ESGOTOS.
PESQUISAR REGRAS E PROCEDIMENTOS DE DESCARTES.



AO TERMINAR A JORNADA NO LABORATÓRIO

- DESLIGAR OS EQUIPAMENTOS, AQUECEDORES ELÉTRICOS, FECHAR PONTOS DE ÁGUA, GASES, ETC;
- COLOCAR AVISOS NOS EQUIPAMENTOS QUE DEVERÃO PERMANECER LIGADOS;
- NÃO DEIXAR FRASCOS ABERTOS OU RECIPIENTES CONTENDO PRODUTOS INFLAMÁVEIS PRÓXIMOS A AQUECEDORES ELÉTRICOS.




SEGUINDO ESSAS RECOMENDAÇÕES OS TRABALHOS REALIZADOS NO LABORATÓRIO PODERÃO SER EXECUTADOS COM A SEGURANÇA DESEJADA.









FONTE:

PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE ANALISTA DE LABORATÓRIO- PROF. MERY DOS SANTOS FILHO



CRÉDITO DA IMAGEM:
http://www.qca.ibilce.unesp.br/prevencao/safety.jpg


Nenhum comentário:

Postar um comentário